13/10/2021 às 17h25min - Atualizada em 13/10/2021 às 17h25min

Caso Edgar dos Santos - Abdução em Peruíbe-SP

Oliver Oliver/Facebook
Este caso ocorreu em Peruíbe. Litoral Sul de São Paulo em 1999. "No primeiro contato eu estava em casa assistindo televisão quando de repente eu ouvi uma voz em minha mente que dizia " Eu sou uma autoridade cósmica... e venho em uma nave me projetei até aqui, onde estou, para falar para você que a partir de hoje, por 10 anos você terá contato comigo"...

A partir daquele dia toda sua vida mudou, Edgard dos Santos Cândido, trabalhador da construção civil foi abduzido duas vezes no ano de 1999, e manteve contato com seres extraterrestres do tipo gray os quais, segundo a testemunha, são comandados por uns alienígenas altos e loiros, parecidos com os humanos.

Todos os seres pequenos são frios, insensíveis, e não nos dão atenção. São como robôs, todos iguais, mediam aproximadamente 1.20m, não conversam e não respondem as nossas perguntas. Somente o líder se comunica, com perguntas longas, e suas respostas são rápidas, e incompletas, apenas dando as explicações que acha necessário”. Veneram e cumprem as ordens do líder, o qual tem a aparência humana, com extrema beleza, pele clara, olhos azulados, cabelos louros esbranquiçados.



A extraterrestre que contatou Edgar tinha cerca de dois metros, cabelos loiros, olhos azuis alguns verde, e pele clara. A centenas de casos pelo mundo onde esses seres abduzem pessoas para realizar pesquisas genéticas os casos frequentemente incluem alegações de telepatia, benevolência e beleza física.

Um caso muito conhecido e muito semelhante ao de Edgar é o Caso Travis Walton onde ele foi imobilizado por uma luz projetada de um disco e quando acordou teve contato com grays e Humanoides do tipo Nordicos.

Segundo Edgar os seres Nordicos são mais sensíveis aos nossos sofrimentos, em nosso meio, vestido com nossos trajes, passariam facilmente despercebido, porque a sua aparência e seu corpo atlético são de um ser humano jovem. Parece que os pequenos são agressivos, sem a presença do seu líder. Enganosamente tendo a aparência de frágeis, eles são muito fortes. “O Ser com quem mantenho contato, disse-me para eu ter muita paciência, porque o processo de adaptação é necessariamente lento.

“Na primeira vez, do contato com os Grays eu estava deitado na minha cama, olhando para o telhado, pois, a minha casa é humilde e não tem forro, vi as telhas como se estivessem pegando fogo, como que incandescentes, em face de uma luz vermelha estar iluminando o telhado. Em seguida elas ficaram transparentes como vidro. Logo após me pareceu que o telhado havia desaparecido, e uma luz muito forte com um calor agradável, tomou conta do meu quarto, e do meu corpo”.

Ele estava deitado, mas não dormindo. Sentiu uma luz morna e tranqüilizante a envolver ele e sentiu que começava a subir, “como se estivesse dentro de uma bolha de luz. Atravessei o telhado como se ele não existisse e vi uma nave muito grande sobre a minha casa”. Uma comporta se abriu em baixo da nave e ele entrou nela.

“Neste momento começou o meu tormento! Fui agarrado fortemente por dois seres de estatura baixa, olhos negros, roupa escura, com aparência monstruosa. Conduziram-me através de um corredor com uma iluminação muito branca. Era uma luz fria, de origem indefinida. Entrei numa sala que parecia um centro cirúrgico, onde não vi paredes, somente uma névoa luminosa branca em todo o ambiente, com algumas pequenas luzes coloridas piscando e voando pela sala.

No recinto, deitei-me numa espécie de mesa, eu não conseguia me mexer. Havia naquela sala mais ou menos uns 10 seres pequenos, metade começaram a examinar a parte superior do meu tórax e a outra a parte baixa, principalmente o abdomem, enquanto um aparelho girava sobre o meu corpo”.



Um ser alto e louro com a aparência humana ficou do seu lado, ele acalmava a dor que sentia, quando colocava sua mão na testa dele. “Dava-me a impressão que quando começava a sentir dor, pelo fato deles mexerem no meu corpo, com o contato de sua mão me anestesiava. Ele me inspirava confiança!
“Passei a sentir muita falta de ar, e em seguida, o que foi mais traumatizante, colocaram-me em uma câmara, e fecharam-na. Dentro dela havia claridade, e uma espécie de vapor, que atingia principalmente o meu rosto. Este vapor era aspirado pelos meus pulmões, eliminando a angustia que estava sentindo, com aquela dificuldade em respirar”.

Em dado momento vi um dos seres pequenos com uma seringa parecida com uma injeção grande, tendo na ponta uma pequena peça, aparentemente triangular. Ele injetou atrás da minha orelha a agulha com aquela peça”. Neste exato momento, o ser de aparência humana colocou sua mão na testa dele, e em seguida ele desmaiou.

"Quando acordei estava na minha cama, com o coração disparado, suando muito, e saindo sangue do meu nariz. Os braços com várias marcas de picadas, e manchas roxas, nos lugares onde eles me apertaram. Ao levantar-me, estava muito fraco, com muito enjôo, com muita sede e quase desmaiei, e cheguei a colocar muco de sangue coagulado pela boca, quando me levantei para beber água, e quando fui urinar senti muito ardor na uretra”. A partir daquele momento, ele passou a ter medo de tudo. Não saia mais à noite; não ficava sozinho em minha casa; passou a esquivar-me até dos amigos. “Não queria que estes fatos voltassem a acontecer, estava com muito medo e não podia contar para ninguém, porque seria taxado de louco, sendo esta a interpretação das poucas pessoas mais íntimas, para quem contei”, afirmou a testemunha. 



“Eu tenho pouco estudo, não conhecia nada sobre este assunto, não havia lido nada a respeito. Demorou uns dois meses, eu já estava ficando bom, já dormindo sozinho e sem medo, de ficar no meu quarto, quando ouvi uma voz nítida dizendo, que estavam precisando de mim, e que estavam me pedindo permissão para fazerem novos exames, expondo o tipo de exames que iriam fazer, com todos os detalhes e que inclusive iriam trocar o meu implante, o que me foi surpresa, pois, não sabia que estava com um implante, e nem sabia o que era”.
Ele foi convencido a não oferecer resistência. “Eu não tinha opção, e era necessária a minha espontaneidade para o sucesso do novo implante, e também para que eu não sofresse conseqüências. Não tive como evitar, e tudo aconteceu novamente, igual à primeira vez, com exceção que moldaram o meu rosto, fazendo uma máscara, com algum material parecido com a nossa pele e uma luz azulada pairou alguns instantes sobre a minha cabeça”.

Disse-me, que não mais estão abduzindo seres humanos como outrora. Já realizaram grande parte das experiências genéticas e científicas que eram necessárias, e que não mais haverá perigo no contato com os seres humanos, a exemplo da contaminação bacteriológica, porque eles já estão imunes, das bactérias e vírus que inicialmente lhes eram transmitidos”.

O último encontro foi na Serra dos Itatins, “quando a nave não veio voando, ela se materializou a uns 10 m a minha frente, e eu fui convocado a entrar dentro dela. Toda vez que pergunto o que eles querem de mim, é dito que estão me preparando para uma grande missão. Para ter calma, não ter medo que as coisas ocorrerão normalmente. O líder deles disse para eu começar a aprender um outro idioma, inglês ou espanhol, porque selecionaram e estão preparando um grande número de seres humanos, os quais lhes serão úteis na hora certa, e que esses seres que estão sendo preparados terão funções de destaque muito em breve, quando as naves pousarão, e estes pousos serão vistos por nós, como se todas as estrelas descessem do céu”.


Assista o depoimento de Edgar no vídeo através do link.
https://m.youtube.com/watch?v=oJ1JhhThs98&t=5s
Link
Roberto de Oliveira

Roberto de Oliveira

Roberto de Oliveira - É pesquisador e entusiasta de Ufologia.

Tags »
Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp