20/06/2017 às 14h52min - Atualizada em 20/06/2017 às 14h52min

Eficiência energética na agenda

Por José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo. O Brasil acreditou na potencialidade energética de sua água. Não contava com crises hídricas, provocadas em parte pelo aquecimento global, em parte pelo maltrato contínuo e inclemente da natureza. O resultado é que as hidrelétricas estão praticamente saturadas. É urgente pensar em outras matrizes energéticas. Basta verificar a dimensão do Brasil para perceber que múltiplas são as opções, ao contrário de países que resolveram problemas muito mais sérios. Se a necessidade não surge, a tendência é a inércia, o acomodamento, a leniência. Ainda bem que existem nichos que não dormem no ponto. Uma das vozes autorizadas é a do professor José Goldemberg, reconhecido especialista mundial em eficiência energética. Sua pregação resulta em despertar de muitos que ainda estavam na zona de conforto. A boa notícia é a de que o uso de fontes renováveis como a energia solar, a eólica ou a de biocombustíveis entrou também na agenda dos que fazem o Brasil andar: os empresários. O Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), tem uma parceria com a GIZ, Sociedade Alemã de Cooperação Internacional, para incrementar a capacitação de profissionais no manuseio de tecnologias e técnicas inovadoras no uso dessas novas matrizes. O nosso gasto com energia elétrica é grande e esse dispêndio inibe investimento em outras finalidades. Por isso, a boa nova na distribuição de currículos e materiais didáticos, definição de equipamentos mais adequados aos centros de treinamento, capacitação de instrutores e docentes e oferta de muitos cursos. A Alemanha está na nossa frente e continua a partilhar experiência e conhecimento. O Fundo Solar, criado pelo organismo alemão de certificação de energias limpas, Grüner Strom Label e. V – GSL, forneceu recursos para a criação de um Centro de Treinamento de Energia Solar em Taguatinga, no interior de São Paulo. Mas ainda precisamos avançar. Ainda temos 61,4% de energia hidrelétrica, 8,8% da biomassa, 6,4% da eólica e apenas 0,01% da solar. Vamos todos melhorar isso? Secretaria da Educação do Estado de São Paulo Assessoria de Comunicação e Imprensa Mais informações à imprensa: (11) 2075-4610 www.educacao.sp.gov.br www.facebook.com/educasp www.twitter.com/educacaosp | www.flickr.com/photos/educacaosp
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp