26/02/2021 às 18h18min - Atualizada em 28/02/2021 às 00h00min

Alfabetização em tempos de ensino remoto – os desafios de ensinar a ler e a escrever por meio de dispositivos digitais

Acelerada pela pandemia do novo coronavírus, a alfabetização digital desafia questões teóricas e práticas envolvidas no novo cenário; Em 2020, crianças de 5 a 7 anos se tornam a primeira geração a aprender a ler e a escrever majoritariamente dessa maneira;

SALA DA NOTÍCIA Editor
As metodologias de ensino precisaram ser revistas para atender a um novo cenário de educação: a alfabetização, que para os adultos de hoje foi conquistada com lápis e papel, mediação da professora e a companhia dos colegas, agora deu lugar a uma cultura de escrita mediada por monitores, teclados e telas touch screens. Mas, com o isolamento social, de que maneira esse processo acontece? E de que modo isso impacta o futuro social e educacional dessas crianças?

“Devido ao distanciamento, a tecnologia virou protagonista da educação e salvou a colheita, tornando-se um meio para dissolver a fronteira entre a escola e a casa das crianças. Como faríamos se não fosse a tecnologia?”, avalia Renata Weffort, coordenadora pedagógica da Educação Infantil e do 1º ano do Ensino Fundamental I do Colégio Franciscano Pio XII. “Quando nos deparamos com esse cenário, nos perguntamos: como manter essa educação acolhedora? E como continuar estimulando os alunos para que continuassem se desenvolvendo e se alfabetizassem, pois, de um lado, temos a formação humana, que é um valor muito precioso do Colégio; de outro, temos a excelência acadêmica, que buscamos constantemente”, enfatiza a coordenadora.

No decorrer desse processo, por ser uma situação circunstancial e muito nova para todos, ajustes foram feitos, tanto no que diz respeito à comunicação e a formato. “O que nós fizemos e fazemos até hoje é enviar semanalmente pesquisas às famílias para entender como isso tem impactado na vida da criança, como as propostas estão chegando e como esse trabalho vem acontecendo”, diz Renata. “Acreditamos que esse olhar, essa parceria com as famílias, ler as pesquisas semanalmente, refletir sobre aquilo que estamos fazendo e olhar sempre para a criança, nos permitiu realizar essas adaptações: então, nós temos aulas online com o grupo todo, atendimentos individuais, aulas de apoio para pequenos grupos e aulas com salas simultâneas. Todos esses arranjos foram sendo planejados para dar uma atenção especial, para conseguir acompanhar esse percurso da criança e oferecer um estímulo adequado”.


Adaptação ao novo formato
Para não parar o ritmo de alfabetização no período de quarentena, o Colégio Franciscano Pio XII tinha como premissa selecionar recursos tecnológicos que ajudariam, de acordo com as necessidades, sem perder o acolhimento e o olhar acadêmico, e buscou junto às famílias, caminhos, para que esse processo desse certo: como fazer chegar os ensinamentos, como dar continuidade à interação e como manter viva a vontade de aprender de uma criança muito pequena. “Após oito meses de aulas online, essa cultura já está estabelecida: os alunos estão em um período mais confortável e mais à vontade no meio virtual”, comenta a coordenadora. “Agora, já se tornaram usuárias desse recurso: observamos que elas lidam com as telas, montam o som e fecham câmeras. Estudantes do 1º ano tentam escrever o nome na tela do Zoom, escrevem no chat, levantam a mão para falar usando ícones”.

Durante esse processo, Renata diz que sentiram falta de compartilhar as produções das atividades das crianças. “Para isso, fizemos muito uso do Padlets, um mural de compartilhamento de trabalhos em que postam vídeos e imagens, e isso favoreceu muito a comunicação”, comenta. Além disso, a plataforma Socrative, que permite projetar questionários e quiz, foi adaptada para fazer sondagens de escrita com as crianças.


Diferença entre as teorias metodológicas que embasam a alfabetização infantil e a prática no meio virtual
Renata Weffort explica que o modo de alfabetizar não mudou. O que muda é o meio. “Em um projeto específico de recitação de trava-línguas, textos curtos de memorização em que trabalhamos a oralidade e a leitura, quando feito presencialmente, há todo um estímulo para a criança recitar para o colega. No ambiente virtual, as famílias mandaram vídeos da criança recitando os mesmos trava-línguas e fizemos uma montagem com essas gravações, pois elas capricharam na edição desse material, usando toda a imaginação e criatividade. Se há pontos desafiadores, há também pontos positivos nessa trajetória”.

Ela também afirma que para trabalhar a variação da escrita, que era feita no papel antes da pandemia, o processo foi o mesmo, mas, por meio da tela: a professora marcava um horário e fazia essa avaliação com a criança.


Oralidade e leitura ganharam força no ensino remoto
Renata comenta que práticas de leitura e oralidade surgiram da própria necessidade da experiência nas crianças muito mais desenvoltas para se comunicar com os colegas. “Geralmente, valoriza-se muito a escrita na alfabetização, mas tanto a oralidade quanto a leitura são modalidades fundamentais para o processo e esse equilíbrio entre as diferentes linguagens tem surtido bom efeito”. Ela também destaca que a leitura é um modo também de tirar o foco do online e do uso das telas, de ter contato com o livro literário ou ouvir uma história antes de dormir.


O papel dos pais no aprendizado do filho nesse momento
Famílias podem inserir as crianças nas ações relacionadas ao uso social da leitura e da escrita e colocá-las em contato com o universo literário, desde contar uma história antes de dormir até ajudar a preparar a lista do supermercado. “Elas se sentem fortalecidas por participarem da rotina da casa e vão observando que a leitura e a escrita têm uma função social”, salienta Renata. “Uma dica é manter e incentivar esse contato gostoso e significativo com o universo da leitura e escrita”.

A coordenadora também destaca todo o apoio das famílias nos bastidores: organizar o material, preparar o espaço de estudo, auxiliar na lição de casa. “Esse dia a dia não tem sido fácil e a ajuda dos pais tem sido magnífica. Hoje, as crianças estão cada vez mais autônomas. Sabemos que quanto menor a criança, maior a ajuda da família, mas já obervamos que várias mães deixam a criança na aula online, vão para a reunião virtual, voltam e monitoram esse processo”.


Outras atividades para estimular as crianças
A escrita é parte fundamental no processo, mas práticas como a fala e a escuta, modalidades que circunscrevem a escrita, são importantes também. “O ato de brincar - brincadeiras cantadas, as cantigas, versos rimados, todas essas ações vão colaborando e intensificando o contato e a reflexão da criança sobre como essa escrita se organiza”.


Pais devem dosar o uso dos dispositivos digitais (e seus excessos)
“Temos mudado um pouco o olhar em relação aos dispositivos tecnológicos, porque de verdade, eles aproximaram. Mas entendo qual é a preocupação: é estar exposto durante muito tempo e é importante dosar mesmo”, alerta a coordenadora pedagógica do Colégio Pio XII, ressaltando que durante esse processo, ofereceram sugestões de atividades para que os alunos saíssem da frente das telas. “Temos feito aula de ioga para as crianças e teve até o momento de fazer ioga com os pais. Como as pessoas estão mais em casa e mais sentadas, trabalhamos também outras linguagens, como o corporal, a artística. Além disso, também preparamos um acervo grande de dicas de brincadeiras para as férias que não envolvia o meio virtual, pois é uma preocupação e algo que temos estimulado”.


Acolhendo alunos que tiveram dificuldades de alfabetização nesse ano
No Colégio Pio XII, esse acompanhamento é feito durante o ano todo, com um forte trabalho de orientação educacional, de conversas com as famílias e as crianças o tempo inteiro. “Para nós é uma continuidade daquilo que já está acontecendo. Se a criança precisa de um apoio individualizado, ela continuará tendo esse apoio individualizado. É dar essa segurança de que, se a criança não tem dificuldade ou ficou sem aprender algo, ela vai continuar essa trajetória a partir desse acompanhamento“.


Ações no cenário online e o que deve mudar
“Nós estamos preparados para os dois cenários, mas existe uma questão de que ninguém sabe como será o retorno às aulas no início de 2021, se será 100% presencial ou parte presencial e parte online. O que nós entendemos nessa trajetória é a centralidade da vida escolar, da presença do outro, do estar junto, de aprender com o professor e os pares. Nosso desejo é que essa volta seja presencial e que o uso da tecnologia continue impactando positivamente no processo de aprendizagem”.


Preparação do Colégio Pio XII para 2021
O Colégio é assessorado por um hospital e todos os protocolos de higiene para assegurar esse distanciamento estão garantidos para a segurança. Mas a reflexão é para além das diretrizes de segurança para o retorno. “Temos nos preocupado em como receber esses estudantes. Que crianças vamos receber? Em que ponto terminaram o ano? Como vai ser essa volta? O nosso olhar é voltado para o acolher: desde o retorno da criança para o espaço escolar até para a transição de um ano para o outro”, diz Renata. Ela afirma que a preocupação da família é o prejuízo pedagógico, após o aluno estar longe do espaço escolar quase o ano todo. “Entendemos que por termos um projeto constituído, vamos reorganizando de modo que a criança tenha todas as oportunidades de construir aquilo que precisa ser construído”.


Futuro da educação no Brasil
Renata avalia que a tendência é que este momento passe e que volte tudo ao normal. “É uma situação circunstancial. É importante olhar os pontos positivos dessa trajetória, porque assim, fica mais leve entender o que foi o legado desse período à distância, o que nós conseguimos fazer apesar do distanciamento. O papel dos professores nesse processo foi essencial: o potencial de resposta rápida, de criatividade e de transformar uma realidade jamais vivida é de fato de tirar o chapéu. Nossos professores estão de parabéns”.



Sobre o Colégio Franciscano Pio XII
Fundado em 1954 com o compromisso educacional conduzido pela filosofia franciscana, o Colégio Franciscano Pio XII trabalha há mais de 65 anos desenvolvendo líderes como agentes de transformação social, unindo conhecimentos acadêmicos e formação humana. Instalado em uma área de 179 mil metros quadrados com trechos de Mata Atlântica preservados, o Colégio tem infraestrutura completa voltada para a qualidade de ensino e conta com projetos inovadores na área da educação, como Middle e High School; programa bilíngue; educação financeira; educação socioemocional; laboratório maker; uso de tecnologias em sala de aula; entre outros.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp